Doação de sangue: vermelho é a cor da cidadania

SAÚDE Debi Aronis, do Movimento Eu Dou Sangue em 01 de julho, 2019 16h07m
Facebook Twitter Whatsapp

Engana-se quem acha que estamos falando de política. Embora a cor vermelha tenha ganhado uma forte tendência ideológica, a pauta aqui é doação de sangue.

O sangue é vermelho desde sempre. Muito antes de Karl Marx nascer ou do mundo se transformar nessa imensa travessa de água e óleo onde pessoas com formas diferentes de pensar não se misturam de modo algum, ele já tinha essa cor.

E é aí que a doação de sangue desponta como uma forma genuína de exercício da cidadania e uma verdadeira ação da cultura de paz.

É o momento em que as pessoas, através de um gesto único e desinteressado, dão de si literalmente para o bem do outro. Para um desconhecido. Um completo estranho.


O doador e o receptor provavelmente jamais se encontrarão, mas estão ligados por algo que une todos os seres humanos: o sangue!

É por isso que nós do Movimento Eu Dou Sangue entendemos o ato de doar sangue como uma expressão de cidadania e uma forma efetiva de se promover a paz.

A escolha do verbo “dar” ao invés do verbo “doar” para o nome do movimento também não foi um acaso. Estamos habituados a doar o que não usamos mais, o que não queremos mais ou o que não precisamos mais. Nenhuma dessas afirmações se aplica ao sangue.

Outra constatação decisiva para a escolha do verbo é que a expressão “dar sangue” já vem carregada de outro significado.
Dar sangue é se importar, é se envolver, é dar de si.

Mais uma mensagem que remete à cidadania, não é mesmo?

Publicidade

O Junho Vermelho, que teve início em 2014 por iniciativa do Movimento Eu Dou Sangue, foi uma das formas encontradas para incentivar o brasileiro a incluir a doação de sangue em seu dia a dia.

Somos, de uma forma geral, um povo bastante solidário. Nos mobilizamos em situações de tragédias e calamidades públicas para arrecadar alimentos não perecíveis, água, roupas, cobertores e até dinheiro.

Contudo a doação de sangue não consta da lista de ações solidárias de 98,2% da população brasileira (apenas 1,8% é doadora de sangue). Na Europa, esse número mais que triplica em alguns países.

Isso significa que o europeu é mais solidário que o brasileiro? Talvez seja, o que eu duvido, mas não baseado nesse indicador.

O fato é que os europeus têm em seu passado recente muito mais episódios trágicos e dramáticos onde a necessidade de doações de sangue era enorme. Guerras mundiais, terremotos, atentados terroristas e calamidades de grandes proporções estão latentes na memória de todo o continente.

O Brasil, como diria Jorge Ben Jor, “é um país tropical, abençoado por Deus, e bonito por natureza”. No entanto, toda benção e beleza a nós concedida não impede que tenhamos nossas próprias tragédias e calamidades.

Publicidade
Assuntos:
Compartilhe esta notícia:
Facebook Twitter Whatsapp

Notícias relacionadas