Representatividade: mulheres buscam mais espaço na política

Jornal Pratense em 16 de novembro, 2020 11h11m
Facebook Twitter Whatsapp

A empresária Verônica Alves da Silva conta sua história e relata os desafios enfrentados para conquistar uma cadeira no Legislativo

Um levantamento com base no repositório de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra que apenas uma a cada 10 candidaturas para as prefeituras é de mulher. São 2.496 mulheres candidatas para o Executivo Municipal num total de 19.141 candidatos (13% do total).  O baixo número de candidaturas de mulheres se repete na disputa para a Câmara Municipal. Nestas eleições, as mulheres são 34% dos candidatos a vereador. São 175.312 (de um total de 509.969 candidatos ao cargo).  
No que diz respeito à representatividade da mulher na política, ainda está muito longe de chegar ao desejado pela dificuldade de ocuparem cargos de poder, serem eleitas ou terem voz ativa nas tomadas de decisões políticas. Nossa equipe conversou com a empresária Verônica Alves da Silva, que pela segunda vez busca por uma cadeira no Legislativo. Ela conta sua história e relata os desafios na caminhada para ser vereadora em Prata.    
A paixão pela política veio na infância, durante um trabalho do quinto ano na escola. “Era sobre a história do Prata e ele mexeu muito comigo. A cada descoberta sobre os primeiros habitantes, as relíquias das moradas, eu me encantava. Minha professora ficou impressionada como fiz aquele trabalho. Desde então quis seguir por esse caminho. Confesso que na minha família não há políticos, a minha mãe uma mulher muito trabalhadeira e meu pai frentista”, relembra Verônica.  
Porém a vida há levou por muitos lugares, antes de decidir conquistar uma carreira política. “Fui morar na fazenda, vi de perto as dificuldades e as belezas do campo. Casei, tive filhos e por um tempo esse sonho ficou adormecido. Mas depois de um tempo minha vontade de fazer a diferença voltou mais forte. Então comecei a me envolver em projetos sociais, em diversas áreas para conhecer de perto a realidade da nossa comunidade”, afirma.  
Antes de optar pela trajetória política, Verônica passou pela educação infantil como coordenadora, foi motorista de van nos distritos e dos trabalhos voluntários, ajudou diversas famílias pratenses, no bairro Progresso. Ela acredita e levanta a bandeira da mulher ocupar todos os espaços. “Com tudo que vivi eu vi que a mulher está pronta sim para qualquer cargo.  Acredito que nós mulheres podemos ocupar cada vez mais espaço, mostrando nossos ideias e ideias. A mulher sabe as necessidades da educação, sabe o que é estar no Pronto Socorro, de madrugada procurando auxilio pelo filho que está com febre e no outro dia ter que trabalhar e não poder faltar. E é por isso que quero lutar”, finaliza. 

Publicidade
Compartilhe esta notícia:
Facebook Twitter Whatsapp