Outubro Rosa reforça a importância do autocuidado

Jornal Pratense em 30 de outubro, 2020 10h10m
Facebook Twitter Whatsapp

Médica ginecologista e obstetra, Dra. Fernanda Fagundes, fala sobre a prevenção do Câncer de Mama e dá dicas para o autoexame

30% dos casos de câncer de mama poderiam ser evitados. A afirmação é do Instituto Nacional de Câncer (INCA), que afirma que os simples hábitos ajudam a prevenir a doença, dentre eles alimentar-se bem, praticar atividade física regular, evitar o consumo de bebidas alcóolicas e também, evitar o uso de hormônios sintéticos. Ainda segundo o instituto, a previsão para 2020, é que sejam diagnosticados cerca de 66.280 novos casos da doença. 
No mês do Outubro Rosa, campanha responsável por conscientizar as mulheres sobre a importância da prevenção e detecção precoce do câncer de mama, a médica ginecologista e obstetra, Fernanda Assunção, fala sobre a importância da prevenção, do diagnóstico precoce e explica que “diversos fatores aumentam o risco de desenvolver a doença como a idade acima de 50 anos, história de menarca precoce (idade da primeira menstruação menor que 12 anos), menopausa tardia (após os 55 anos), primeira gravidez após os 30 anos, nuliparidade (ausência de gravidez ), uso de contraceptivos orais (estrogênio-progesterona) e terapia de reposição hormonal pós-menopausa (estrogênio-progesterona)”, diz.  
Dra. Fernanda ainda reforça que a ingestão de bebida alcoólica, sobrepeso e a obesidade, além do tabagismo também aumentam as chances de desenvolver o câncer de mama. E que apenas 5% a 10% são hereditários.  
  
 Uma pergunta recorrente é quando fazer o exame? A especialista explica que o exame clínico da mama, tanto realizado pela própria paciente (autoexame), tanto o realizado pelo profissional de saúde capacitado é fundamental no rastreamento de pacientes assintomáticas, em busca da detecção precoce do câncer de mama.  
“A orientação é que a mulher observe e palpe suas mamas sempre que se sentir confortável para tal (seja no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano), sem necessidade de aprender uma técnica de autoexame ou de seguir uma periodicidade regular e fixa, valorizando a descoberta casual de pequenas alterações mamárias suspeitas”, afirma a médica que ainda informa que é necessário que a mulher seja estimulada a procurar esclarecimento médico, em qualquer idade, sempre que perceber alguma alteração suspeita em suas mamas. 

Dra. Fernanda também alerta para quais alterações na mama devemos ficar atentas para a detecção precoce da doença, confira: 
* Qualquer nódulo mamário em mulheres com mais de 50 anos. 
* Nódulo mamário em mulheres com mais de 30 anos, que persistem por mais de um ciclo menstrual. 
* Nódulo mamário de consistência endurecida e fixo ou que vem aumentando de tamanho, em mulheres adultas de qualquer idade. 
* Descarga papilar sanguinolenta unilateral. 
* Lesão eczematosa da pele que não responde a tratamentos tópicos. 
* Homens com mais de 50 anos com tumoração palpável unilateral. 
* Presença de linfadenopatia axilar. 
* Aumento progressivo do tamanho da mama com a presença de sinais de edema, como pele com aspecto de casca de laranja. 
* Retração na pele da mama. 
* Mudança no formato do mamilo.

Publicidade
Compartilhe esta notícia:
Facebook Twitter Whatsapp