PREFEITO DE FRUTAL EXPLICA SOBRE VERBAS PENDENTES PARA A EDUCAÇÃO

Educação em 16 de março, 2022 14h03m
Facebook Twitter Whatsapp

Na reunião ordinária da Câmara de Frutal realizada nesta segunda-feira (14), a vereadora Professora Irma Rezende (MDB) questionou o prefeito Bruno Augusto a respeito do repasse aos municípios do “Projeto Mãos Dadas”, que visa ampliar a oferta de vagas nos anos iniciais do ensino fundamental, onde o Governo Zema anunciou o repasse de R$592 milhões de reais.

De acordo com o prefeito, o governo de Frutal aderiu ao projeto, tornando escolas estaduais em municipais. Mas a prefeitura ainda possui algumas pendências dos governos passados, como a devolução para o Estado, do valor de R$ 1,7 milhões de reais do “Marretão” (convêniode 2011/2012), o que ainda não foi feito. Diante disso, a gestão possui quase R$ 4 milhões para receber, fora outras emendas de deputados. Ademais, Bruno Augusto informou que viajaria até Belo Horizonte para regularizar a situação com o governo para que o Município possa receber os recursos pendente.

A vereadora ainda quis saber o posicionamento do prefeito a respeito do movimento dos professores a favor do Piso Nacional. O gestor disse que sempre está à disposição para receber os educadores e irá se reunir com eles nesta quinta-feira (17). Além disso, ele ressaltou que sempre é muito sincero em relação aos pedidos, e a questão do Piso Nacional que é uma lei dúbia será resolvido com os educadores, juntamente com a Comissão da Câmara Municipal.

Bruno pondera que fará o que for possível com responsabilidade e dentro das condições do Município. "Eu sou do diálogo, conversando, sentando na mesa a gente resolve. Agora eu sou muito sincero isso aqui pode, não isso não pode, agora uma coisa a senhora pode ter certeza, eu nunca vou chamar professor de vagabundo, porque os professores tem o meu respeito", afirmou o prefeito.

Publicidade
Compartilhe esta notícia:
Facebook Twitter Whatsapp